quarta-feira, 15 de setembro de 2010

Limite

Se não sou livre como gostaria, é minha escolha? E você diria que sim. Mas explico que não sou livre porque não sou capaz de me mover aleatoriamente como se minhas ações não possuíssem consequencia.
Se alguém se magoa por algo que eu fiz, ainda que indiretamente,não devo eu me privar do que quero para evitar o sofrimento alheio? Teoricamente, não; não devia! Mas como posso? Não quero e nem vou me tornar diferente daquilo que sou por causa do sentimento alheio. Antes, me privo de seguir minhas vontades.
Sempre me mandaram cortar e ser grossa com as pessoas que me destratam. E por que devia? Se o erro está nelas, não sou eu aquela que deve mudar. Ou tratar sem a simpatia que me é característica. Afinal, não vou mudar quem sou porque as pessoas são grossas.
Da mesma forma, se algo que eu fiz deixou alguém sofrer, infelizmente, é culpa exclusivamente dessa pessoa, que não soube lidar com seus sentimentos. Deveria eu me tornar insensível e não me preocupar com os sentimentos que dependem de mim posto que sou o oposto desse tipo de pessoa?
Eu queria liberdade, sim.Mas a quero enquanto essa pessoa que sou. E prefiro não tê-la do que mudar tudo que me torna tão única.

6 comentários:

Thiago Augusto disse...

Eu acredito que seja o correto..não tem que mudar não. Você tem a coragem que pouquíssimos teriam, pq hoje em dia, a maioria das pessoas acham que o melhor é serem de acordo com cada pessoa que estão ao seu redor. muito bom e reflexivo seu post..espero que quem sofra desse "mal" de mudar toda hora, leia isso e acabe tomando uma atitude..afinal, Antes tarde do que nunca..abraço!

Gabriel disse...

Concordo com o que disse. Mas vejo que você está seguindo uma linha de raciocínio incompleta.

Pense. Você é livre. Livre para pensar, falar e agir. Assim como você é livre, as demais pessoas também são livres. Livres para interpretar o que você fala como melhor se encaixa nas psquês delas.

Creio que a liberdade não está no fato de poder falar/fazer o que se quer sem sofrer consequencias, mas no fato de encarar as consequências quando elas aparecem.

No mais, tudo que tenho a dizer é: Relaxa!

Roberta Albano disse...

* Thiago
Obrigada pela visita!! =) Seria bom, né?


* Gabirudo

eu sou livre e não sou;
não é nenhuma barreira o que me prende, e sim minha própria consciencia. Sim, eu posso tomar minhas escolhas. Mas se sei que elas vão magoar alguém eu opto por não tomá-las. Existe essa delimitação que é basicamente causada pelos sentimentos alheios. ^^

Neo - Todos os Sentidos disse...

Uau!

Olha eu aqui de novo depois de um tempão.
Saudades de você, parceira de escritas do TOS.
Espero que esteja tudo bem por aqui.
Deixo um beijo e a torcida por sucesso sempre.

Neo
Todos os Sentidos.wordpress

pseudon_rj disse...

Você continua a escrever esplendidamente bem. E eu já não estou mais te paparicando :)

E eu concordo bastante com o texto, principalmente com a parte que diz que quando as pessoas sofrem por causa das suas ações é, na verdade, culpa delas, por não saberem administrar os próprios sentimentos. Eu não sei se eu já falei isso pra você, mas se não falei, pensei em falar, porque é exatamente o que eu penso, as pessoas é que deveriam aprender a administrar o que sentem, afinal, eu não posso salvar o mundo.

Roberta Albano disse...

Exato! A maioria das pessoas não consegue distinguir inflência de culpa. tipo: Ó, a culpa é das propagandas de cerveja que fazem as pessoas beber mais. Não! Não é e nunca vai ser. A culpa é da pessoa de beber e ainda mais;a culpa é de quem se deixa ser influenciado, oras!

obrigada. =)

Postar um comentário