segunda-feira, 8 de abril de 2013

Rei do castelo

De que forma fostes eleito, grandioso Rei?
E, desconsiderando o processo eletivo,
Quem levantou teu nome como opção?
De todo sangue azul conhecido
Jamais imaginei tua vontade em reinar meu castelo
Tão pouco que você considerou a possibilidade de fazer parte de mim
Até onde sei.

Mas o dia chegou
E, caminhando por sobre as pedras frias,
Deixastes teu cheiro
Tomando para si
Tudo que havia pertencido a mim.

Não sobrando escolha ou fuga,
Também eu virei pertence de ti
De teu trono, morada do meu coração,
Passastes a comandar todo o vilarejo

Fechou os portões, aprofundou os fossos
E lá permaneceu cultivando os campos de alimento
Manteve as janelas abertas para não faltar sol.

Não conteve sorrisos ao povo,
Já não havia razão para esconder o sentimento:
Se encontrava exatamente onde queria estar.

E o castelo foi bem cuidado
O feudo prosperou em suas mãos férteis
Meu coração jamais ficou seco despedindo-se do sangue
Porquanto não conseguia mais deixar o pulsar

Não fui eu a responsável por sua chegada
E, como era o certo,
Não precisei me esforçar em evitar tua partida
Apossou-se de meu território
E, de nosso castelo, me fez rainha.

4 comentários:

Kamus. disse...

Só achei uma palavra pra descrever: Genial.

Roberta Albano disse...

*.* Obrigada

. disse...

Excelente escolha de palavras. Realmente muito bom.

Roberta Albano disse...

Obrigada, "."

Postar um comentário