quarta-feira, 25 de maio de 2016

Sociedade do Ódio

Por todos os lados, generalizado. Em todos os passos, eu tenho medo. Quando penso, tenho receio. A impotência é a constância. As pessoas más cometem crimes. As pessoas boas desejam crimes. Ninguém é confiável. O que eu posso fazer? Nada que eu faço parece o bastante. Nada do que eu faço será suficiente.
E o que precisa ser entendido além de "pare de botar ódio no mundo"?
Por favor, não culpe a vítima. Culpe o CULPADO.
Por favor, não deseje mal ao culpado. Ele só deve ter o que merece, de acordo com o estabelecido pelas leis. Se você não concorda com as leis, corra atrás de mudá-las.
Por favor, pare de discriminar o diferente. O diferente não te fez nada.
Pare de querer que as pessoas sejam infelizes porque elas não pensam como você. Discordar é inevitável, mas perseguir e desejar mal?
Por favor, não brigue com o amante. Termine com a pessoa com quem você está tendo um relacionamento.
Por favor, não fique ofendida se uma pessoa do mesmo sexo quer te pegar. Aceite como um elogio, e dispense.
Por favor, não dê em cima de ninguém de forma mal educada.
Por favor, não questione o direito de ninguém de lutar contra a opressão. Não ridicularize aquilo que causa dor em alguém.
Por favor.
POR FAVOR.

2 comentários:

Unknown disse...

Excelente texto!

Existe algumas medidas de tendências centrais em matemáticas estatísticas chamada média, moda e mediana. As pessoas sempre julgaram baseadas nessas tendências... Todos os dias somos bombardeados de ideias que procuram controlar ações e pensamentos dentro diretrizes e padrões que classificam como normal, ta na moda, a nova onda do momento entre outros, nos fazem crer que a caverna de Platão é óbvia e como marionetes a maioria sucumbem alienados e subtraídos de suas escolhas e desejos. Fico muito feliz em deparar com Pessoas que como você combate estas ideias com mensagens construtivas, pessoas originais que incomodam e causam invejas. De fato, você não está na moda e nem na média. Num mundo cada vez mais violento, falso, egoísta, excessivamente digital, onde podemos constatar que a maldade vem ocupando o lugar da gentileza e do altruísmo sua atitude de usar a tecnologia para passar uma mensagem como essa está bem acima da média e infelizmente fora de moda. Agora, em vez de brigar com o amante, terminar? Seja menos rigorosa rs. Mas eu entendo q isso reflete o momento de passionalidade que vc pode ter vivido e pessoas altamente sensíveis são afetadas a todo tempo pelo momento, vivem o presente e por isso você é assim, intensa, inconstante, insegura, interessante e esse prefixo in que por um lado pode te incomodar, com certeza fará você criar mais maravilhas como essa que li acima. Tenho certeza q saberá explorar cada detalhe dos momentos mais íntimo de si e deixará de lado as ideias de Pessoas destrutivas... Continue criando... Abs

Alex Simas disse...
Este comentário foi removido pelo autor.

Postar um comentário