sexta-feira, 1 de março de 2013

Soulmate

Não tenho dúvidas de que existe alguém nesse mundo que me entende, que me lê com tanta facilidade que acho que fui escrita pelo contato com ele mesmo. Que me responde sempre o que eu preciso ouvir. Que é exatamente quem é, e eu aceito integralmente, mesmo sem fazer parte do meu próprio ser.
Esse texto é para você e não teria como ter outro título que não fosse "Soulmate".

Ao fim do dia, tenho a oportunidade de repousar a cabeça sobre um macio travesseiro, acomodando o corpo ao calor do conforto de minha própria cama. Um momento para refletir sobre o que é importante. Ao questionar-me, acabo por me deparar com as lembranças de você e o quanto você significa. O modo natural como entrou em minha vida. A forma não tão natural com que eu lutei para que ficasse. Tantas barreiras, quando você se sentiu frio demais para deixar alguém se aproximar. Tantas mudanças, pelas quais nós dois passamos. E, mesmo assim, cá estamos, velho amigo. Antes de você, classificava melhores amigos como passageiros - não na intenção de desmerecê-los, mas aceitando que assim é a vida. E, então, descobri que você foi meu melhor amigo todos esses anos e simplesmente não deixou de ser. Você é o tipo de pessoa que eu não puxo muito assunto na internet só pela limitação de querer falar mais do que o processamento de dados aguenta. E o tipo de pessoa que me faz aguardar ansiosamente o encontro. Com você, posso conversar dias inteiros, sem pausa para dormir ou permanecer em silêncio sem que ele se torne constrangedor. É engraçado o quanto costumo ser cabeça dura, mas isso não funciona muito bem com você, uma vez que dificilmente discordamos ou, quando é o caso, eu compreendo tão bem seus argumentos que não os desafio. Está entendendo o quanto você é importante só de ver que minha cabeça dura se amolece para aceitar o que você define? Se isso não conta como demonstração do que sinto, talvez nada mais funcione. Às vezes eu nem acredito que eu realmente te encontrei. Até onde sei, você pode ser imaginário, me completando e me enchendo de alegria. Mas acho melhor não entrar nos méritos de realidade; além de ser uma questão confusa, não vem ao caso. O que deve ser ressaltado é que eu não seria tão feliz se não tivesse te conhecido. Nunca teria me sentido tão segura de que uma pessoa pode cuidar de mim como você cuida e de que eu teria vontade de retribuir cada carinho. Você merece, não de forma imatura e vulgarizada espalhada para qualquer um, mas o meu verdadeiro: eu te amo.

1 comentários:

Ricardo Carvalho disse...

Caramba, mas que coisa mais linda.

Só tenho a dizer que é recíproco o que sente, me identifiquei plenamente com os sentimentos transparecidos pelas suas palavras.

E não vou deixar de ser. E nem vou deixar você deixar de ser.

Postar um comentário